Páginas

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Garota reafirma que foi estuprada por cachorro


 O fato teria ocorrido na madrugada do domingo (8), na zona rural do município de Belém de Brejo do Cruz, no sertão paraibano, quando um casal levou os quatro netos para acampar e pescar.De acordo com relato da família da vítima, a menina de 11 anos levantou durante a madrugada para urinar e quando se abaixou e tirou a calcinha foi atacada pelo cachorro, que a violentou, tirando sua virgindade.A menina voltou para a rede onde dormia e, ao perceber que estava sangrando, pegou uma blusa e colocou entre as pernas.A mãe da garota, que não estava no local, foi avisada sobre seu sangramento e levou a menina ao médico, ainda na cidade de Belém, acreditando que ela havia menstruado precocemente.O médico que a atendeu no Hospital de Belém de Brejo do Cruz descartou que o problema fosse menstruação e mandou a menina ao Hospital Regional de Catolé do Rocha.Lá, um outro médico fez o atendimento e confirmou que a criança tinha sido estuprada, encaminhando-a imediatamente para o Instituto Médico Legal de Patos. Com a informação do estupro, a menina contou a história de que havia sido o cachorro.O Cabo Damião Odélio disse que o fato só foi registrado na Polícia Militar porque um policial estava no hospital, ouviu sobre o estupro e orientou a família para fazer um Boletim de Ocorrência, onde a história foi oficialmente contada.Especialista diz que cão não estupraria menina Um cachorro pode atacar sexualmente uma criança de 11 anos de idade? O veterinário Fábio Ígor explica que nunca foi registrado um caso desse tipo pela medicina e que fisiologicamente o animal não sente atração pelo ser humano.Em entrevista concedida no início da tarde desta terça-feira (10), ao radiofônico Correio Debate-98FM, o especialista explicou que a probabilidade de um caso como esse acontecer, é quase impossível.‘Fisiologicamente falando, o cão precisa do estímulo do feromônio da fêmea para que tenha vontade de cruzar. Ele não tem a capacidade que nós temos em pensar em consumar um ato sexual’, explicou o espe cialista.
portal correio